A eletroestimulação não funciona

A eletroestimulação funciona? Experiências da Granfondo Quebrantahuesos

¿A eletroestimulação funciona?

Esta mesma pergunta foi-me feita dezenas e dezenas de vezes por pessoas que como você, estão à procura de informação sobre como tirar mais rendimento do eletroestimulador. A eletroestimulação funciona? A eletroestimulação é eficaz? Como se deve treinar com um eletroestimulador?

Como bem sabe, para a Quebrantahuesos de 2011 fui criando uma série de artigos de treino voluntário e treino com eletroestimulação. Foi um treino muito básico para ajudar os que não sabem utilizar os programas do seu eletroestimulador.

Quer saber como funcionaram os treinos que publiquei de maneira gratuita? Aqui lhe deixo a experiência de José António G. que seguiu o programa de treino com eletroestimulação e treino voluntário.

Crónica da Quebrantahuesos 2011

Sentia um pouco de dúvidas, este ano, em relação à QH, a prognóstico era de chuva, mas com Aquilão é menos, era diferente da do ano passado.

Este ano, como todos, comecei com tranquilidade, sem lutas, com respeito.

Em Somport não me senti nada bem talvez porque esperava consegui-lo com uma perna às costas. Coroei o início da fila com atraso em relação a outros anos, com duas paragens técnicas e vento de lado.

Descida com muita precaução e frio. Mais dolorosa, encontrei um grupo que ia sossegado, a 29 por hora.

Início Marie Blanc com os mesmos medos de sempre e ao chegar à hora da verdade terceiro destaque e para cima. A minha surpresa era que o pulsímetro se mantinha abaixo dos 85%, penso que no segundo quilómetro subirão. Chega o segundo e a segunda metade é muito dura. Subo a pulso até os 88% A bicicleta não levanta a roda dianteira e começo a beliscar-me, pois não consigo acreditar, início o terceiro quilómetro e vou principalmente, animando os corredores que passam. Quase sem acreditar, passo a primeira parte e vejo o cartaz do último km e começo a emocionar-me. Como nunca penso uma e outra vez, a curva a esquerda e o final… Este ano havia menos gente a animar. Começo a pensar em Portalet. Começo a comer e a beber e descendo o início de Marie Blanc a faiscar. Enquanto vou tendo atenção em cada curva, vou pensando “a minha melhor Marie Blanc”

Paro no abastecimento rapidamente. Ao finalizar a descida aventuro-me no percurso plano até Larums, apanho outro grupo que passa os quilómetros sem sinais de desfalecimento. Estou em Larums e o primeiro ponto negro foi passado, “nem posso acreditar”.

Início Portalet onde vive o Homem do Mazo, o início de conversa com outro ciclista muito simpático, sem controlar o pulso e com muito boas sensações. Está perto o abastecimento líquido (2 km ao 7-8%) primeiro sítio onde há anos anteriores estava derreado, mas este ano faço-o sem dificuldade… e não paro no abastecimento, apenas, vou até à represa e os km vão passando, procuro o homem do mazo com o 39 x24-21-27 e estou bem. Chegamos à represa e estamos a meio de Portalet. Ainda que não esteja fresco como uma alface, estou muito bem, continuo com o 39. As minhas pernas ainda respondem muito bem. Melhor do que eu esperava. Enquanto penso no quão bem que estou e na força que tenho este ano, apercebo-me que o abastecimento foge. Paro para encher garrafas com glucosport, Coca-Cola e para cima. Máxima concentração porque faltam 9km e já começo a ver a meta, mas a minha grande pergunta é… Onde está o Homem do Mazo?

Vou passando ciclistas, alguns já cadáveres e vão passando também os km. Volto a pensar que isto está a correr bem. Ao fundo vejo o km 9 e começo a sonhar. Encaro as ferraduras mais tonto, mas bem, sem sofrer muito, porque faltam os 2 quilómetros fáceis do final. Estou muito emocionado. Só penso em não cair na descida e já vejo a tela do final de Portalet, tenho pele de galinha, coloco o casaco e para baixo.

Desço muito perigosamente por entre os carros e carrinhas que estão ver a corrida. Na descida, viro à esquerda e é pela Hoz que subo acompanhado por uns Sulafricanos com o terceiro lugar e o 24, sem fila. Quando estou na frente, só penso em chegar à meta para abraçar a minha mulher e a minha filha. Saio como em geral, descida com cuidado e chego ao plano com vento contrário. Nesse momento passam três ciclistas e tentam deixar-me para trás, mas não conseguem, dou-lhes um avanço e conseguimos alcançar um grupo muito numeroso. Vai saindo um mais velho de cara contra o vento e ninguém lhe dá um avanço. As caras que vejo à minha volta dizem muito. Falam de muito sofrimento. Decido-me e passo à frente para começar a sair do grupo. É incrível mas as minhas pernas ainda respondem. Após um pouco de tempo, este senhor mais velho avança e eu outro alcance. Aparece outro ciclista e começa a pedalar com muita força. Estamos a 2 km. Passa outro ciclista dando um destaque impossível e agarro-me como uma lapa, para chegar à contra meta ……… a minha melhor QH, ainda que não no meu melhor tempo .

É a primeira vez que consegui aguentar a QH.

Creio que a eletroestimulação me foi dando um acréscimo importante de força a nível muscular, algo que não sentia há muito tempo tempo. Creio que o seu treino com séries de umbral + logo sair a pedalar me foi dando um bom estado cardíaco. Creio que as séries de força resistência colaboraram nesse acréscimo muscular, as minhas pernas estavam mais musculadas e mais finas.

Ainda que não tenha conseguido completar o mês de Maio quero dar-lhe os meus agradecimentos pelo seu treino e espero o próximo ano, se me calhar a mim, ter um treino personalizado de bicicleta e eletroestimulação para o tempo que disponho. Um abraço e muito obrigado.

José Antonio G.

Muito obrigado a ti José António por nos contar a sua experiência.

Como pode ver, a eletroestimulação sim, serve e sim, funciona.

Se este desportista conseguiu ter mais força e melhores sensações com um plano de treino simples… O que não será capaz de realizar você com um plano de treino personalizado?

A eletroestimulação funciona.

Seja Feliz

Pedro García